Photo
”(…) Experimente dar uma palavrada na cara. Eu sei, você vai esquecer  da força com que ela saiu da sua boca e percorreu o curto espaço entre  os seus lábios e os ouvidos do outro. Você nem vai lembrar o peso da sua  língua. O outro? Ele vai tentar esquecer, vai tomar todos os remédios  que indicarem, vai fazer a dança da chuva, vai rezar pra Nossa Senhora  Desatadora de Palavradas na Cara, vai implorar para que o Demônio  Palavral volte para o inferno. Nada vai adiantar. O roxo da palavrada é  na alma. E, acredite, dependendo da situação, nunca sara. É por isso que  a gente deve tomar muito cuidado. Principalmente se quem nocauteia a  sua alma reside dentro dela. Sem pagar aluguel, nem condomínio, nem  nada.”
(Clarissa Corrêa)

”(…) Experimente dar uma palavrada na cara. Eu sei, você vai esquecer da força com que ela saiu da sua boca e percorreu o curto espaço entre os seus lábios e os ouvidos do outro. Você nem vai lembrar o peso da sua língua. O outro? Ele vai tentar esquecer, vai tomar todos os remédios que indicarem, vai fazer a dança da chuva, vai rezar pra Nossa Senhora Desatadora de Palavradas na Cara, vai implorar para que o Demônio Palavral volte para o inferno. Nada vai adiantar. O roxo da palavrada é na alma. E, acredite, dependendo da situação, nunca sara. É por isso que a gente deve tomar muito cuidado. Principalmente se quem nocauteia a sua alma reside dentro dela. Sem pagar aluguel, nem condomínio, nem nada.”

(Clarissa Corrêa)

Photo
Se as coisas fossem perfeitas, não existiriam lições de vida, não haveriam arrependimentos e nem descobertas.  (Shakespeare)

Se as coisas fossem perfeitas, não existiriam lições de vida, não
haveriam arrependimentos e nem descobertas. 
(Shakespeare)

Text

então é isso: eu estou CANSADA! Não aguento mais essa miudeza de sentimentos, essa miséria de palavras, essa superficialidade no tratamento, toda essa fachada nas atitudes. então é isso: eu CANSEI, pretérito perfeito do verbo verbo cansar, e como o nome diz é pretérito, é PASSADO, já foi, mudou, não é mais, acabou e ponto.

Agora sem miudezas, sem misérias, sem superficialidades, sem disfarces, eu quero o profundo, o novo, o intenso, porque na verdade ninguém, ninguém mesmo, merece viver assim, sem sentir, ou quase sentir, não não merece mesmo ! Eu não mereço oras! Eu vou é sorrir, vou é falar o que der na telha, vou é cantar aonde eu estiver, dançar com quem me quiser e amar quem merecer de verdade.

Por que cada um tem o seu tempo, e esse tempo de sonhar já foi, agora eu vou é VIVER!

Photo
"Vem cá. Me dá aqui a sua mão. Coloca sobre meu peito. Agora escute.  Olha o tumtumtum. Você pode me ouvir? É pra você, seu besta! É por você  que meu coração bate! (Ele, que de tanto bater, parou sem querer outro  dia). Posso confessar? Jura que vai acreditar em mim? A verdade é que  estou de saco cheio de histórias românticas. Meus casos de amor já não  têm a menor graça. Será que você me entende? Eu não escrevo porque vivo  amores cinematográficos e quero contar pro mundo. Não!! Eu escrevo  porque eu sou uma maluca. Minha vida é real demais. Um filme B pra ser  mais exata. E eu não acho graça em amores sem final feliz. Por isso,  invento. Pro sangue correr pelas veias, pra lágrima cair dos olhos, pra  adrenalina sacudir o corpo. Eu invento amores pra ver se eu acredito em  mim. (Acredita?). Mas hoje eu estou cansada. Estou cansada de mentiras,  de realidade, de telefone mudo e de músicas sem letra.(…) (…)Me deixa ser egoísta. Me deixa fazer você entender que eu gosto de  mim e quero ser preservada. Me deixa de fora de suas mentiras e dessa  conversa fiada. Eu sou uma espécie quase em extinção: eu acredito nas  pessoas. E eu quase acredito em você. Não precisa gostar de mim se não  quiser. Mas não me faça acreditar que é amor, caso seja apenas derivado.  Não me diga nada. (Ou me diga tudo). Não me olhe assim, você diz tanta  coisa com um olhar. E olhar mente, eu sei! E eu sei por que aprendi.  Também sei mentir das formas mais perversas e doces possíveis. (Sabia?)  Mas meu coração está rouco agora. GRAVE! Você percebe? Escuta só como  ele bate. O tumtumtum não é mais o mesmo. Não quero dizer que o tempo  passou, que você passou, que a ilusão acabou, apesar de tudo ser um  pouco verdade. O problema não é esse. Eu não me contento com pouco. (Não  mais). Eu tenho MUITO dentro de mim e não estou a fim de dar sem  receber nada em troca. Essa coisa bonita de dar sem receber funciona  muito bem em rezas, histórias de santos e demais evoluídos do planeta.  Mas eu não moro em igreja, não sou santa, não evoluí até esse ponto e só  vou te dar se você me der também.”

"Vem cá. Me dá aqui a sua mão. Coloca sobre meu peito. Agora escute. Olha o tumtumtum. Você pode me ouvir? É pra você, seu besta! É por você que meu coração bate! (Ele, que de tanto bater, parou sem querer outro dia). Posso confessar? Jura que vai acreditar em mim? A verdade é que estou de saco cheio de histórias românticas. Meus casos de amor já não têm a menor graça. Será que você me entende? Eu não escrevo porque vivo amores cinematográficos e quero contar pro mundo. Não!! Eu escrevo porque eu sou uma maluca. Minha vida é real demais. Um filme B pra ser mais exata. E eu não acho graça em amores sem final feliz. Por isso, invento. Pro sangue correr pelas veias, pra lágrima cair dos olhos, pra adrenalina sacudir o corpo. Eu invento amores pra ver se eu acredito em mim. (Acredita?). Mas hoje eu estou cansada. Estou cansada de mentiras, de realidade, de telefone mudo e de músicas sem letra.(…)
(…)Me deixa ser egoísta. Me deixa fazer você entender que eu gosto de mim e quero ser preservada. Me deixa de fora de suas mentiras e dessa conversa fiada. Eu sou uma espécie quase em extinção: eu acredito nas pessoas. E eu quase acredito em você. Não precisa gostar de mim se não quiser. Mas não me faça acreditar que é amor, caso seja apenas derivado. Não me diga nada. (Ou me diga tudo). Não me olhe assim, você diz tanta coisa com um olhar. E olhar mente, eu sei! E eu sei por que aprendi. Também sei mentir das formas mais perversas e doces possíveis. (Sabia?) Mas meu coração está rouco agora. GRAVE! Você percebe? Escuta só como ele bate. O tumtumtum não é mais o mesmo. Não quero dizer que o tempo passou, que você passou, que a ilusão acabou, apesar de tudo ser um pouco verdade. O problema não é esse. Eu não me contento com pouco. (Não mais). Eu tenho MUITO dentro de mim e não estou a fim de dar sem receber nada em troca. Essa coisa bonita de dar sem receber funciona muito bem em rezas, histórias de santos e demais evoluídos do planeta. Mas eu não moro em igreja, não sou santa, não evoluí até esse ponto e só vou te dar se você me der também.”

Photo
icuore:

Mulher lida com homem cachorro, amiga cobra, colega piranha e ainda assim morre de medo de barata. Vai entender.

icuore:

Mulher lida com homem cachorro, amiga cobra, colega piranha e ainda assim morre de medo de barata. Vai entender.

(via demenina)

Photo
"Economizar  amor é avareza. Coisa de quem funciona na frequência da escassez. De  quem tem medo de gastar sentimento e lhe faltar depois. É terrível viver  contando moedinhas de afeto. Há amor suficiente. Há amor para todo  mundo. Há amor para quem quer se conectar com ele. Não perdemos quando  damos: ganhamos juntos."
(Ana Jácomo)

"Economizar amor é avareza. Coisa de quem funciona na frequência da escassez. De quem tem medo de gastar sentimento e lhe faltar depois. É terrível viver contando moedinhas de afeto. Há amor suficiente. Há amor para todo mundo. Há amor para quem quer se conectar com ele. Não perdemos quando damos: ganhamos juntos."

(Ana Jácomo)

Photo
"O conhecimento é irresistível."

"O conhecimento é irresistível."

Photo

(via canastra)

Text

Mas, afinal, qual é a coisa que mais quero do amor? Quero proximidade. O amor tem que ser próximo. Não falo próximo de colado, grudado. Falo próximo de junto, cúmplice, companheiro. O amor é você perceber que não anda mais sozinho. Que tem alguém pra abraçar quando o mundo está grande demais. Que tem alguém pra se esconder quando tudo está sombrio demais. Que tem alguém pra brindar quando tudo dá certo demais. Que tem alguém pra dividir as coisas que a vida tem para nos mostrar. Amar, pra mim, é isso. É você cuidar do outro quando ele precisa, quando tá doente, triste, com frio, sozinho. É ficar feliz com a felicidade do outro. É fazer pequenas gentilezas. Se preocupar. Comprar o iogurte preferido. Assistir filmes de ação mesmo sem gostar, mas assistir porque ele gosta da sua companhia. É deixar o egoísmo dar espaço para a doação. É lógico que toda mulher tem sempre na cabeça uma cena de filme. A gente quer fogos de artifício, pedidos de casamento de joelhos, que o outro adivinhe os nossos desejos. Não quero isso, de verdade. Quero, apenas, que ele saiba quais são os meus sonhos, que preste atenção no que eu gosto e sinto. Mas, é claro, se ele aparecer com duas alianças e duas passagens para o lugar que eu mais quero conhecer no mundo é óbvio que vou adorar.

( http://clarissacorrea.blogspot.com/ )

Photo
fucky-ou:

feelingsofjess:
Qual era o seu problema mesmo?

fucky-ou:

feelingsofjess:

Qual era o seu problema mesmo?

(Source: ateosvinte, via vemqueeutecarrego)